Saae investe em transparência de gestão

Adesão ao Programa Nacional de Prevenção à Corrupção inclui ações como criação de canal de denúncia, ouvidoria própria e conselho de ética

Sexta-Feira, 08/10/2021 | Superintendência de Comunicação .

O Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) de Angra dos Reis promoveu nesta sexta-feira (8), uma reunião de trabalho entre seus gestores para tratar da adesão da autarquia municipal ao Programa Nacional de Prevenção à Corrupção (PNPC), lançado em maio deste ano pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e Controladoria-Geral da União (CGU). O encontro foi realizado no Centro de Estudos Ambientais (CEA), na Praia da Chácara, e reuniu diretores, coordenadores, supervisores e a presidência, para que fosse feita uma apresentação interna do programa. O objetivo da adesão é melhorar as práticas de gestão, com mais transparência à administração.

– O Saae está evoluindo bastante em sua gestão e, neste ano de 2021, demos grandes passos em nossa administração interna. Entendemos que a autarquia ainda tem grandes objetivos a serem alcançados e, partindo desse entendimento, o presidente do Saae, Felipe Larrosa, teve a iniciativa de buscar essa adesão ao programa, que é um programa não de combate, mas de prevenção à fraudes e corrupção. O combate se dá quando a corrupção está institucionalizada. A prevenção é para que ela não encontre ambiente para sequer acontecer – resumiu o superintendente-executivo do Saae, Alexandre Giovanetti.

O Saae está sendo o pioneiro na área de saneamento no estado do Rio de Janeiro ao aderir ao PNPC. O entendimento é que fomentar a prevenção da corrupção significa melhorar a qualidade de gestão, o que implica em reformulações administrativas. O programa incentiva a criação de métodos e procedimentos que priorizam a transparência, e a equipe do Saae se comprometeu nesse sentido.

A autarquia respondeu ao questionário de adesão ao programa e receberá dos realizadores diretrizes para um plano de ação, com base no perfil da instituição. Dentre as primeiras ações, já discutidas na reunão, estão a criação de um conselho de ética, gravação de processos licitatórios (os principais serão transmitidos ao vivo) e de algumas reuniões, criação de um canal de denúncia e de uma ouvidoria específica da autarquia, delimitação mais precisa de níveis decisórios para os variados cargos e funções.

– Descentralizar o poder é importante para a gestão e reduz brechas para a corrupção. Muitos desses procedimentos o Saae já possui, mas nós precisamos consolidá-los, registrá-los e institucionalizá-los – completou o superintendente-executivo.

Secretarias relacionadas: SAAE