Dona Junina é a campeã do Torneio Municipal de Quadrilhas

Diferença para a segunda colocada foi de apenas um décimo

Segunda-Feira, 27/09/2021 | Superintendência de Comunicação .

A quadra poliesportiva do Estádio Municipal foi o palco para o retorno das quadrilhas juninas, que após dois anos sem se apresentarem, voltaram à cena, na noite de domingo, dia 26, para a disputa do Torneio Municipal de Quadrilhas ‘Maria Ciça’, organizado pela Associação de Quadrilheiros de Angra dos Reis, via Lei Municipal de Incentivo à Cultura. E o retorno foi triunfal, com sete grupos se apresentando e mostrando que Angra é a capital do São João, no interior do Rio.

A disputa prestou reverências à dona Maria Ciça, da Aconchego da Ciça, da Rua Barra Mansa, no Campo Belo, grande defensora da cultura popular e que faleceu neste ano.

Dos sete conjuntos juninos, três disputaram o troféu Maria Ciça, que neste ano, ainda por conta da pandemia, equivale-se ao Arraiá da Cidade. A quadrilha Dona Junina, da Japuíba, foi a grande campeã, à frente de Dito Peres, do Morro do Peres, em segundo lugar e Zé Buscapé, da Japuíba, em terceiro. A quadrilha Aconchego da Ciça, anfitriã do evento; assim como as quadrilhas Compadre Nequinho, do Morro do Carmo; Escorrega Show, Vale da Banqueta; e Emoções Juninas, da Japuíba, mesmo não disputando, deram um verdadeiro show durante as suas apresentações.

O corpo de jurados, formado por cinco profissionais da área, oriundos da capital e região metropolitana, tiveram muito trabalho para escolher a quadrilha campeã. Dona Junina venceu a Dito Peres pela diferença de um décimo. A campeã somou 370 pontos, contra 369,9 da segunda colocada.

O secretário-executivo de Cultura e Patrimônio apresentou o evento e destacou a importância do movimento de quadrilhas juninas.

- É emocionante receber de volta, para esta apresentação, os representantes desta rica cultura popular, que muito contribui para o nosso município. Hoje, Angra é sinônimo de resistência no setor e isso é possível ver no rosto de cada quadrilheiro. O amor, a emoção e a garra pelo que fazem são o diferencial. Além disso, as quadrilhas representam o povo periférico e promover um evento como este é dar voz à periferia- ressaltou.

O evento teve o apoio da Prefeitura de Angra, por meio da Secretaria Executiva de Cultura e Patrimônio e de empresas privadas.

- Angra é uma das cidades do Estado que mais capta recursos por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura. Graças aos envolvidos o evento foi um sucesso e deixa uma grande expectativa para o próximo ano, onde deveremos ter o maior Arraiá da Cidade já visto na região - finalizou o secretário-executivo de Cultura e Patrimônio.