Canções de Angra vencem o Festival de Música e Ecologia

A 16ª edição do evento foi um verdadeiro sucesso, na Vila do Abraão, e contou com shows de Frejat e Leoni

Segunda-Feira, 08/07/2019 | Superintendência de Comunicação .

Depois de oito anos sem acontecer, o Festival de Música e Ecologia da Ilha Grande voltou com força total e foi um verdadeiro sucesso, movimentando a Vila do Abraão, de sexta (5) a domingo (7). A 16ª edição do evento teve como ápice a valorização da música autoral. Na noite de sábado (6), 14 músicas foram apresentadas sob o olhar atento do corpo de jurados formado por três profissionais da Escola de Música Villa-Lobos e do observador do júri, presidente do Conselho Municipal de Política Cultural.
Após uma análise criteriosa, foram premiados os três primeiros lugares no “Tema Livre”, a melhor música no “Tema Ecologia” e o melhor intérprete.
Quem levou o grande prêmio do “Tema Livre” foi a canção Pássaro, de composição de Daniel Alcici Nóbrega (Daniel Brava - Banda Valleriana), de Angra dos Reis, que levou o público ao delírio com o bom e velho rock’n’roll.
- Temos o maior carinho por essa canção, pois foi a primeira letra que a gente musicou em conjunto e tem a cara de toda a Banda Valleriana. Ela tem um bordão afinado em tom de Ré para ficar com mais peso, mais rock’n’roll. Foi lindo ver do palco a resposta do público. A gente deseja que esse Festival da Ilha Grande volte a ser tradição porque ele é muito importante, é charmoso e diferente de todos os outros – destacou Daniel Brava, vocalista da Banda Valleriana.
O segundo lugar ficou com a canção “A matéria humana” de Thobias Jacobi Lieven (Thobias Jacó), de São João Del Rei – MG, e o terceiro lugar foi “Samba rock no sertão”, de Diego Moreira Farias Melo (Banda Papagaio Sabido), do Rio de Janeiro.
A música “Costa Verde”, de Daniel Cavalcanti, de Angra dos Reis, foi a grande vencedora do “Tema Ecologia”.
- Essa música é uma parceria minha com o Cadu Salomão, especialmente para o Festival de Música e Ecologia da Ilha Grande. “Costa Verde” fala de um passeio pela região, do verde da região e suas belezas – destacou o compositor.
O título de melhor intérprete foi conquistado por Bruna Elen, de Volta Redonda, que cantou a música “Brincando que se aprende”, de autoria de Edimar Zambroni Júnior.
Ao todo, foram mais de 300 canções inscritas, nos temas “Livre” e “Ecologia”. Os três primeiros lugares no tema livre (Prêmio Maestro Galloway) foram contemplados com troféu e R$ 5 mil, R$ 3 mil e R$ 1,5 mil, respectivamente. A melhor música no tema Ecologia (Prêmio Marcelo Russo) recebeu R$ 4,5 mil e troféu, e a melhor intérprete foi premiada com troféu e R$ 4,2 mil. Entre os convidados para entregar os prêmios aos vencedores estavam vereadores e a filha de Marcelo Russo.

SHOW DE FREJAT E LEONI ESQUENTARAM AS NOITES

O evento, organizado pela Prefeitura de Angra, por meio da Turisangra, contou com show do Frejat e Banda Sereno, na sexta (5) e Leoni no sábado (6). Fechando a programação, na noite de domingo (7), o público pode conferir a “Violada Caiçara”.
Animando o público com inúmeras canções conhecidas pelo público, os dois grandes nomes do brock (rock brasileiro dos anos 80) e da MPB destacaram a importância de estar participando do Festival de Música e Ecologia da Ilha Grande, após o local ter sido reconhecido pela Unesco, junto com Paraty, Patrimônio Mundial.
- É um prazer estar aqui neste paraíso e, nada mais merecido, a Ilha Grande ter sido reconhecida como Patrimônio Mundial da Humanidade. Ou seja, o paraíso não é somente nosso, é de toda a humanidade – destacou Frejat, animando o público com conhecidas canções como “Segredos”, “Por você” e “Amor pra recomeçar”, além de músicas clássicas compostas em parceria com Cazuza.
A noite fria de sábado (6) foi aquecida pelos sucessos de Leoni, dono de vários hits dos anos 80, que integrou as Bandas Kid Abelha e Heróis da Resistência. O público aplaudiu e cantou, em uníssono, canções como “Como eu quero” e “Garotos II”.
- É muito bom estar aqui, neste momento, em que Angra, Ilha Grande e Paraty, foram reconhecidas como Patrimônio Mundial. A questão agora não é só preservar o ambiente da gente, pois se isso aqui acabar é a gente que acaba também. Temos que pensar no que vamos deixar para as futuras gerações. É uma honra estar aqui – disse o cantor.
Para o presidente da TurisAngra, o Festival voltou na hora exata, no momento em que a Ilha Grande foi reconhecida pela Unesco como Patrimônio da Humanidade.
- Esse evento é importantíssimo para a cultura de Angra dos Reis e importante para o turismo. Mesmo com o frio do fim de semana e a chuva de sexta, o Abraão esteve com as pousadas praticamente lotadas, os restaurantes vendendo, passeios de barco sendo comercializados, transfer do continente para ilha lotados. Além disso, levamos entretenimento para os moradores. Tá todo mundo em êxtase por ver um evento que foi tão importante, depois de oito anos abandonado, voltar com o mesmo brilho que sempre teve – frisou.
O presidente da TurisAngra fez questão de agradecer a parceria de vários atores para o sucesso do evento.
- A união da equipe da TurisAngra, de várias secretárias da Prefeitura, Associação dos Meios de Hospedagem, Associação de Moradores, Parque Estadual da Ilha Grande, moradores e empresários locais, possibilitou que superássemos as adversidades climáticas. Agora é preparar para fazer, no ano que vem, um festival melhor ainda – finalizou.