Angra Festeja Divino Espírito Santo

Festividades vão acontecer entre os dias 11 e 20 de maio, com missas, apresentações musicais e danças folclóricas

Sexta-Feira, 13/04/2018 | Superintendência de Comunicação

A Festa do Divino Espírito Santo, considerada a maior manifestação religiosa e cultural de Angra dos Reis, já tem data marcada para acontecer: entre os dias 11 e 20 de maio. O império será montado no Cais de Santa Luzia. Vai ser lá que o Menino Imperador, João Gabriel Pinto dos Reis, seu séquito e o público assistirão às danças folclóricas, apresentadas por crianças e adultos.
A festa será realizada através de uma parceria entre a Paróquia Nossa Senhora da Conceição e a Prefeitura de Angra dos Reis, através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, por meio da Secretaria Executiva de Cultura e Patrimônio e a TurisAngra. Durante os festejos, as ruas do Centro serão enfeitadas com as tradicionais bandeirinhas em vermelho e branco.
A Festa do Divino Espírito Santo chegou a Angra dos Reis no século XVII e conta com um preparatório de novenas, missas e três dias presididos pelo Menino Imperador, que chega de barco no Cais de Santa Luzia. Após a chegada do Menino Imperador, o povo prestigia missas solenes e a parte profana da festividade, composta por shows musicais de artistas locais e pelas antigas danças folclóricas dos Coquinhos, Lanceiros, Jardineiras, Velhos e Marujos, que serão apresentadas em um palco que representa o “Império do Divino”. Os festejos se encerram no domingo de Pentecostes.


Programação religiosa e cultural:

Dia 11 de maio – sexta-feira
18h30 – Saída das bandeiras do Divino da casa das festeiras, Madalena Aparecida e Ivonete Bastos, de onde, em procissão, irão ao encontro das bandeiras das comunidades da paróquia para a Igreja Matriz, juntamente com a folia do divino
19h30 – Missa festiva na Igreja Matriz

Dia 12 de maio – sábado
18h30 - Procissão das Bandeiras, saindo da casa de um devoto para a Igreja da Matriz, juntamente com a folia do divino
19h30 – Missa na Igreja Matriz

Dia 13 de maio – domingo
17h30 – Procissão das Bandeiras, saindo da casa de um devoto para a Igreja da Matriz, juntamente com a folia do divino
18h – Missa na Igreja Matriz
20h – Missa na Igreja Matriz

Dia 14 de maio – segunda-feira
18h30– Procissão das Bandeiras, saindo da casa de um devoto para a Igreja da Matriz, juntamente com a folia do divino
19h30 – Missa na Igreja Matriz

Dia 15 de maio – terça-feira
18h30– Procissão das Bandeiras, saindo da casa de um devoto para a Igreja da Matriz, juntamente com a folia do divino
19h30 – Missa na Igreja Matriz

Dia 16 de maio – quarta-feira
18h30– Procissão das Bandeiras, saindo da casa de um devoto para a Igreja da Matriz, juntamente com a folia do divino
19h30 – Missa na Igreja Matriz

Dia 17 de junho – quinta-feira
18h30– Procissão das Bandeiras, saindo da casa de um devoto para a Igreja da Matriz, juntamente com a folia do divino
19h30 – Missa na Igreja Matriz

Dia 18 de maio – sexta-feira
6h – Alvorada festiva
7h – Café com o Menino Imperador
11h – Chegada do Menino Imperador, juntamente com a folia do divino, no Cais de Santa Luzia.
12h – Almoço no Convento do Carmo
18h30– Procissão das Bandeiras saindo da casa das festeiras, juntamente com a banda de música e folia do divino
19h30 – Missa e coroação do Imperador
20h – Apresentação musical com a Banda Sereno e danças folclóricas: Coquinhos, Jardineiras e Lanceiros.

Dia 19 de maio – sábado
10h – Celebração das crianças com o Imperador, na Igreja Matriz
18h30– Procissão das Bandeiras
19h30 – Missa na Igreja Matriz
20h – Apresentação musical da dupla Bruno Perez e Erivelton Marques e danças folclóricas: Coquinhos, Velhos e Marujos.

Dia 20 de maio – domingo
6h – Alvorada festiva e amanhecer no Espírito Santo com missa e café comunitário
9h30 – Procissão das Bandeiras
10h – Missa solene na Igreja Matriz
16h – Missa festiva na Igreja Matriz
17h - Procissão do Divino Espírito Santo. Logo após haverá a troca da coroa do divino, pelo chapéu do imperador.
20h – Apresentação musical do grupo Nosso Som e danças folclóricas: Coquinhos, Jardineiras, Velhos, Lanceiros e Marujo.


Sobre as danças:

Dança dos Coquinhos: os Coquinhos representam os filhos de escravos que dançavam homenageando o Menino Imperador. Usam máscara e capuz para não serem reconhecidos e levam, nas mãos, coquinhos que batem durante toda a dança.

Dança das Jardineiras: as Jardineiras representam as vendedoras de flores portuguesas. A dança é executada por um grupo de moças, metade vestida de jardineiras e metade vestida de jardineiros, trazendo nas mãos um arco florido.

Dança dos Lanceiros: os Lanceiros representam o corpo de guarda do Menino Imperador. A dança dos Lanceiros estava esquecida há muitos anos, quando, em 1976, foi revivida de forma incompleta e depois novamente esquecida. No ano de 1986 foi recuperada uma parte dela, que é a Valsa dos Lanceiros.

Dança dos Velhos: os Velhos representam os antigos escravos da terra que homenageiam o Menino Imperador com seus movimentos simples e alegres (semelhantes às quadrilhas juninas). Vestem-se com roupas confeccionadas em tecido barato, enfeitadas com renda e usam máscaras de papelão preto para não serem reconhecidos. Os Velhos dançam com castanholas e batendo os pés.

Dança dos Marujos: os Marujos representam os marinheiros da esquadra portuguesa que, segundo a lenda, tripulavam a barca que trazia o Menino Imperador. Vestidos com suas fardas, os Marujos dançam ao som de marchas e dobrados, evoluindo e formando diversos desenhos.