Angra em alerta contra a conjuntivite

Secretaria de Saúde orienta que pessoas infectadas procurem uma unidade de saúde

Terça-Feira, 27/03/2018 | Superintendência de Comunicação .

Assim como em todo o Estado, é notório o aumento de casos de conjuntivite no município. A Prefeitura de Angra, por meio da Secretaria de Saúde, orienta que as pessoas que tenham contraído a patologia procurem uma unidade de saúde.
- Existe uma orientação do Estado sobre um surto de conjuntivite neste ano. Mesmo sem termos notificação de surto no município, os profissionais médicos foram orientados sobre prevenção e tratamento da doença – informou o superintendente de Atenção à Saúde.
Segundo Nota Técnica emitida pela Secretaria de Estado de Saúde, na última semana, “Conjuntivite é a inflamação da conjuntiva, que é uma membrana que recobre a porção anterior da esclera e a face interna das pálpebras. Entre as causas mais frequentes temos: as virais, bacterianas, fúngicas e alérgicas. Dado ao caráter contagioso das conjuntivas virais e bacterianas, a disseminação pode efetuar-se com muita facilidade”.
Os principais sintomas da conjuntivite são: olhos avermelhados, lacrimejamento, pálpebras inchadas e avermelhadas, secreção amarela nos cantos dos olhos ou nas margens das pálpebras, intolerância à luz, sensação de areia nos olhos, pálpebras grudadas ao despertar, visão borrada e purido (coceira) ocular.
Estes sintomas podem ser aliviados com compressas geladas com água fervida ou filtrada, água destilada ou soro fisiológico e com utilização de colírios.
- A secretaria de Saúde possui no estoque colírio tobramicina, que é utilizado no tratamento da conjuntivite – explicou o superintendente de Atenção à Saúde.
Também é indicada a utilização de óculos de sol para melhorar a queixa de fotofobia, aumento de sensibilidade à luz.
Algumas das medidas de prevenção contra a conjuntivite são: lavar com frequencia, com água e sabão, as mãos e o rosto; evitar coçar os olhos; usar lenços, toalhas e travesseiros individuais; evitar o uso de objetos de pessoas portadoras de conjuntivites; evitar frequantar piscinas.
- Além disso, previne-se esta patologia afastando as pessoas com conjuntivete aguda dos ambientes coletivos (escolas, locais de trabalho) por pelo menos sete dias – orientou o subsecretário de Vigilância em Saúde do Estado.