Ação contra o ato de vandalismo às portas da Prefeitura

Por transgredir lei de crimes ambientais e por entender que o delito não condiz com os valores do povo angrense, a Prefeitura toma as medidas cabíveis

Quinta-Feira, 11/01/2018 | Superintendência de Comunicação

A Prefeitura de Angra entrou ontem, 10, com uma representação contra o ato de vandalismo que envolveu o descarte de resíduos sólidos na entrada de sua sede através de Ministério Público e Delegacia de Polícia. A infração cometida insere-se na lei de crimes ambientais que prevê punição de 1 a 5 anos de reclusão. As autoridades públicas já apuram os autores do delito.
Há suspeitas de que o ocorrido tenha sido feito por questões pessoais e para uso político, descartando, assim, qualquer possibilidade de manifestação popular a respeito da irregularidade no serviço de coleta de lixo. Sobre este trabalho, inclusive, a Prefeitura de Angra já informou que devido às fortes chuvas dos últimos dias na cidade, os caminhões responsáveis pela coleta tiveram dificuldades para acessar o local de descarte uma vez que a região não pode ser asfaltada por questões ambientais. Apesar das objeções, a coleta de lixo está sendo regularizada.
A Prefeitura reitera sua postura de diálogo e portas abertas à população para receber críticas se necessário, mas não compactua com atos de vandalismo e poluição, pois estes não representam o povo de Angra dos Reis. O prédio da Prefeitura foi tombado como patrimônio histórico em 1982 e por isso deve ser preservado como parte da história da cidade, acima de questões políticas.
A Secretaria Executiva de Serviço Público disponibiliza o telefone 3377-4229 ou 3377-4302 para receber reclamações sobre problemas relacionados ao lixo, com Edileusa ou Edwirges.