Garoto do Gol Social fará parte da base do Volta Redonda

13/06/2017

Miguel Araújo Leal, 11 anos, que é morador de Monsuaba, joga de lateral esquerdo, e passou no teste do time da cidade do aço

O projeto Gol Social, que hoje reúne cerca de 600 crianças, em mais de 20 pólos espalhados pelo município, vive um momento de resgate e ampliação de suas atividades no município. Implantado em 2005, pela Prefeitura de Angra, no então governo, segundo mandato, do prefeito Fernando Jordão, ganha mais fôlego nesta nova administração, e mais uma vez sob o comando da secretária de Desenvolvimento Social e Promoção da Cidadania.
Mesmo não sendo somente uma atividade esportiva, pois o projeto tem objetivos sociais claros de estar aproximando as famílias de seus filhos, não dá para não prever que o sonho de qualquer criança possa se concretizar, na esperança de fazer uma carreira profissional no futebol. Com as participações da garotada em competições como nas Copas Zico, da Paz, torneios e campeonatos internos e regionais, acabam, nestes momentos, surgindo muitos olheiros, observadores do talento da meninada, e se revela a chance para as crianças que mais se destacam.
E foi em um destes momentos que alguns garotos de três pólos do Gol Social, da Mansuaba, Camorim, e do BNH, em Jacuecanga, foram selecionados para realizarem testes no Volta Redonda Futebol Clube, e estão participando de fases de observações da comissão técnica responsável pela base do time da cidade do aço. E dos seis que atualmente estão buscando um espaço e querendo provar o seu talento no Voltaço, um deles, o menino Miguel Araújo Leal, 11 anos, morador de Monsuaba, já foi aprovado na segunda fase dos testes, e está se preparando para ingressar na base do clube.
A mãe de Miguel, Miriane Gonçalves Araújo Leal, já esteve em Volta Redonda acompanhando o filho para tratar de questões de moradia para a família, já que ela, o garoto e a filha mais velha, Ingrid, 14 anos, vão passar a morar por lá, já a partir de agosto, e inclusive já viu escola para os filhos na cidade. A família está apostando no sonho de Miguel, e somente o pai, Wander dos Santos, conhecido no meio do futebol da cidade como Deco, que foi zagueiro no passado, permanecerá em Angra devido ao trabalho. O pai é um jogador bastante conhecido em Angra, tendo já atuado por muitos anos na equipe do Monsuaba e também na Seleção Angrense amadora.
Os outros cinco jogadores do Gol Social que ainda estão em período de testes são Caio e Henrique, do pólo do BNH, Lucas e Diogo, do núcleo de Monsuaba, e Cristian, do pólo do Camorim Grande. O menino Miguel está empolgado com a chance que está tendo: “Vou em busca do meu sonho de ser um jogador de futebol profissional. Sempre gostei de futebol influenciado pelo meu pai, e vou me empenhar muito para que essa chance que estou tendo se torne uma realidade na minha vida. Fico ainda mais confiante, pois minha família está me apoiando. E paralelo ao futebol, vou levar também meus estudos a sério”, disse Miguel.
A secretária Célia Jordão fez questão de pessoalmente desejar sucesso para o jovem Miguel, no encontro que teve com o menino e sua mãe na sala do projeto Gol Social na Secretaria de Desenvolvimento Social e Promoção da Cidadania, na tarde da última segunda-feira, 12, acompanhada de uma das coordenadoras do projeto, Marcele Santos.
“O esporte é fundamental para o desenvolvimento da criança. E eu sempre fui uma pessoa apaixonada pelo esporte, uma atividade que sempre fez parte de minha vida. Quem participou de alguma atividade esportiva em sua infância, vai carregar essa lembrança fantástica para o resto da vida. O objetivo principal de projeto não é o de apostar em uma futura carreira de jogador profissional para eles, mas a gente não deixa de ter um olhar para essa projeção, pois dentre as competições que a garotada participa, sempre tem um olheiro, e porque não sonhar? Acho que essa possibilidade também é um viés do projeto”, disse a secretária.